Olá pessoal, estamos aí a 15 dias sem texto, devido a Semana ABA FORA DA CAIXA, e o texto de hoje eu escrevo com muito carinho para vocês, e é sobre um tema de grande relevância no mundo das crianças com necessidades especiais. Esse tema é uma análise de um artigo científico, muito famoso no meio da Análise do Comportamento, esse texto só tem em inglês para quem quiser ler aqui está, se chama Eu posso identificar Saturno, mas não posso escovar meus dentes: O que acontece quando o foco curricular dos alunos com habilidades severas muda: Artigo Original.

Bom e o tema trazido é sobre o que deve conter um  currículo de ensino para uma criança com déficit intelectual, devemos priorizar um currículo baseado em habilidades funcionais, ou um currículo pensando nos parâmetros acadêmicos da turma em que a criança está inserida?

Escola-educacao

Vamos começar então entendendo o que é um currículo funcional, e por definição utilizada em Snell & Brown, 2006; Westling & Fox, 2004, é um currículo em que o foco é em melhorar as habilidades atuais e futuras de vida funcional. Já o currículo baseado na série padrão, tem o objetivo de atender as necessidades da série em que aluno está, que pode lidar ou não com questões de independência funcional. E aí por qual caminho seguir?

Bom antes que cheguemos a uma conclusão, vamos primeiro pensar em algumas pesquisas na área no que diz respeito aos currículos baseados nas séries padrão. E nesse ponto eu quero te contar que existem várias pesquisas que nós mostram que os alunos que déficits cognitivos severos conseguem aprender habilidades acadêmicas, vou citar para vocês as áreas e os estudos para que vocês possam pesquisas depois, toda a literatura em inglês: em leitura (Browder,Wakeman, Spooner, Ahlgrim-Delzell, &Algozzine, 2006); Matemática ( Browder, Spooner & Browder, 2007); Ciências (Courtade, Spooner & Browder, 2007). Portanto, diversos tem sido os resultados positivos em pesquisa científica que mostram como tem sido possível ensinar para estas crianças habilidades acadêmicas, até mesmo complexas como em um estudo de Jimenez, Browder e Courtade (2008) em que foi ensinado a alunos do ensino medo com  déficit intelectual moderado, como resolver equações de álgebra.  Bom então já vimos como demonstram as pesquisas que é possível que esse alunos aprendam, mas a pergunta é: Essas habilidades serão úteis para que eles se tornem mais independentes e tenham sucesso nas suas vidas?

disability-480x270-myths-CU080813_bkf02.jpg

Vamos pensar agora em nós “neurotipícos” quantas coisas aprendemos na escola que não usamos para absolutamente nada. Quanto tempo e energia em coisas, que muitas vezes não eram da nossa área de interesse, e que poderíamos ter usado para assuntos de interesse que nós beneficiariam muito mais. Bom hoje temos aí as mudanças na Base Curricular que tem justamente este olhar, em priorizarmos aquilo que temos maior afinidade. Eu por exemplo sofria horrores com Física, Matemática, Química, coisas que eu na área de humanas não utilizo. Bom mas enfim vamos voltar ao nosso foco dos nossos meninos e meninas com deficiência intelectual.

Bom vamos pensar agora em um currículo funcional, quais habilidades deve este currículo privilegiar? Vamos pensar com um olhar funcional, do que precisamos ensinar para que esse futuro adulto se torne o mais independente possível? Bom existe uma galera por aí que estuda, justamente isso, busca fazer esse levantamento de habilidades que necessitam ser ensinadas. Existem inclusive Protocolos de Avaliação que fazem o levantamento das habilidades como a AFLS, já falei dela aqui em outro Post Avaliações dentro da Análise do Comportamento Aplicada.

Bom mas vamos listas aqui algumas habilidades para que possamos pensar e refletir:

  1. Habilidades de Consumo – ou seja fazer uso do dinheiro, comprar coisas, passar cartão, usar um caixa eletrônico, enfim tudo que diz respeito a uso do dinheiro. Você sabia que existem estudos em todos estas áreas? Existem pesquisas aí desde mais ou menos 1988.
  2. Habilidades na Comunidade – pesquisas demonstram o ensino de habilidades vocacionais, de vida independente, como por exemplo atravessar a rua.
  3. Habilidades Domésticas e de Auto-Ajuda – preparar sua própria comida, lavar á roupa, se vestir de maneira apropriada, todas estas são habilidades importantes.

É importante que ao se pensar em um currículo, possa se fazer sempre uma conexão entre a vivência entre o que será relevante para a vida prática da criança com o que é ensinado em contexto pedagógico. A frase que dá início a este texto é de uma mãe em uma reunião de Plano de Ensino Individualizado (lembrando este artigo que estou falando com vocês é dos Estados Unidos, então com um sistema educacional diferente), e essa mãe disse exatamente isso que o filho identificava Saturno, mas não conseguia pedir algo que queria, se limpar ao ir ao banheiro.

Bom então um reflexão do que estamos fazendo, esperando, ensinando aos meninos e meninas com déficit intelectual se faz de extrema necessidade.  Portanto, é preciso que elaboremos um Currículo que seja significativo ao aluno, que seja individualizado, para a necessidade de cada aluno, e quando digo aqui aluno, estou falando de habilidades só dentro da escola? Nãoooo…digo habilidades que serão os objetivos de ensino em todos os momentos da vida desta criança, que precisará de ensino intensivo, e estes deverão serem os objetivos em todas as intervenções pois o currículo é da criança, não é específico ou não deveria ser objetivos específicos de cada terapeuta. Mas aí já é assunto para outra discussão, ok?!!

Grande Abraço,

Michelli Freitas.

Mestranda em Ciências do Comportamento – UNB

 

 

 

 

 

 

1 Comentário

Deixe uma resposta